A Empresa


A Doces Xodó iniciou suas atividades em 1991 na cidade de Altônia, Noroeste Paranaense, dedicando-se a industrialização de doce de leite. Começou com apenas uma funcionária e um tacho onde o doce era feito manualmente. Após um ano contratou mais uma funcionária.

Com a boa aceitação do produto houve necessidade de automatizar o processo, onde o doce de leite passou a ser feito nos tachos a vapor.

Em 1994 com a intenção de aumentar o mix dos produtos a Doces Xodó passou a industrializar também doces cremosos nos sabores (abóbora com coco e goiaba).

Desde 1999 atua em novas instalações no parque industrial de São Jorge do Patrocínio no Paraná, onde vem a cada dia investindo em tecnologia e qualidade de seus produtos.

Atualmente a empresa conta com nove sabores em seu mix de produtos. (Doce de leite, doce de leite com chocolate, doce de leite com coco, doce de leite com ameixa, doce de abóbora com coco, doce de goiaba, doce de banana, doce de morango e doce de uva).

Nossa Missão

“Atender as necessidades alimentares de seus consumidores, empregando em sua produção uma matéria prima selecionada e um rigoroso controle de qualidade.”

Nossa Visão

“A empresa diferencia-se pela imagem de sua marca, por excelência nos serviços, inovação e qualidade dos produtos.”

 

Qualidade

 

Contamos com uma equipe de funcionários preparados para melhor atendê-los, pois a Doces Xodóobedece aos rigorosos padrões de higiene aprovados pelo Ministério da Agricultura e Anvisa.

Utilizamos vários programas e procedimentos que são necessários para obtenção de alimentos padronizados, saudáveis e de boa qualidade.

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): Abrangem um conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos a fim de garantir a qualidade sanitária e a conformidade dos produtos alimentícios. A legislação sanitária federal regulamenta essas medidas e deve ser aplicada a todo o tipo de indústria de alimentos. É composto por um documento que descreve as operações realizadas pelo estabelecimento que inclui os requisitos sanitários dos edifícios, a manutenção da higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle de qualidade da água para consumo humano, o controle integrado de pragas urbanas, controle da higiene e saúde dos manipuladores e o controle e garantia de qualidade do produto final.

 

TRATAMENTO DE ÁGUA: que se divide em tratamento de água e efluentes.
Tratamento da água: tornando-a potável para que possa ser consumida, sem apresentar riscos à saúde. Tratada, limpa e descontaminada para que possa ser utilizada no processo de fabricação. Com o objetivo de oferecer água de boa qualidade posteriormente um produto também de boa qualidade. A água, por ser fundamental à vida, deve ser poupada e, depois de a usada, tratada para que regresse à natureza de forma limpa. A empresa por ser preocupada com essas questões e de acordo com a preservação ambiental, trata seus efluentes de modo que a água possa ser utilizada e retorne a natureza com o mínimo de efeitos poluentes possíveis.

Controle integrado de pragas:

Pragas: todo e qualquer organismo vivo, seja este animal, vegetal ou mesmo microorganismo que infestem ou interfiram no processo normal de um ambiente”.

A falta de um sistema adequado de controle de pragas na produção de alimentos, além de afetar diretamente a saúde do consumidor, causa grandes prejuízos por perda de qualidade de matérias–primas e afeta a imagem da empresa e produtos por esta elaborado.

Sabendo disso, a empresa possui um controle integrado de pragas que é um sistema que incorpora ações preventivas e corretivas e menos agressivos ao meio ambiente e aos seus usuários, visando minimizar o uso abusivo e indiscriminado de praguicidas, mas destinado a impedir que vetores e as pragas ambientais possam gerar problemas significativos.

É uma seleção de métodos de controle e o desenvolvimento de critérios que garantam resultados favoráveis sob o ponto de vista higiênico e ecológico. O Programa de Controle Integrado de Pragas tem como premissa básica as ações preventivas de limpeza, higiene e organização, descritas nos Manuais de Boas Práticas de Fabricação, produzindo sempre produtos de qualidade e confiança.

CIP: “Clean In Place”, que significa limpeza no local, é um método pelo qual tanques e tubulações em uma planta de processos são limpos e sanificados através da re-circulação de detergentes e soluções de enxágüe. CIP significa limpeza sem necessidade de remoção ou desmontagem do equipamento. O sistema inclui reservatórios para detergentes e soluções de enxágüe, assim como bombeamento e aquecimento das soluções. O processo é utilizado para assegurar que as tubulações e equipamentos da produção estejam sempre livres de contaminações orgânicas e inorgânicas.

APPCC = Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle

Sistema que foi desenvolvido para garantir a produção de alimentos seguros à saúde do consumidor. O sistema tem enfoque na prevenção do problema e não na inspeção final do produto.

O sistema APPCC permite comprovar, através de documentação técnica apropriada, que determinado processo produtivo e a sua manipulação sejam seguros. O método APPCC analisa, de maneira personalizada, cada etapa da operação de produção do alimento, levando em consideração o contexto dos recursos estruturais e humanos disponíveis. Ela ainda privilegia os objetivos da empresa com relação à posição e competitividade de mercado, produtividade, controle de desperdícios, organização, limpeza e principalmente, visando melhoria e a garantia dos produtos que industrializa e comercializa, de modo a oferecer segurança alimentar em seus produtos.